Ads 468x60px

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Morte aos Chavões Feministas!


Por Fidelbogen

Quase todo o jargão do feminismo deveria parar numa lata de clichês. Palavras soltas como “misoginia”, “patriarcado” e “igualdade” são usadas de uma forma mistificacionária, uma vez que o interlocutor sempre os emprega com liberdade criativa. Acho que as pessoas que apregoam esses termos, ou lhes falta clareza em suas mentes sobre o que elas estão dizendo, ou tentam, por motivos escusos, confundir uma coisa com outra coisa.

A palavra “misoginia” vai servir como um excelente exemplo. Praticamente nunca mais ela voltou a ser utilizada honestamente, e se tornou tipicamente uma forma de difamar ou silenciar indivíduos ou grupos que são considerados ter opiniões erradas sobre determinados temas. Mais vezes do que o contrário, as pessoas usam essa palavra como algo a esconder.

Como um exercício de higiene semântica e probidade intelectual, as pessoas deveriam repensar o uso desta palavra e até mesmo fazer um pouco de introspecção se isso for necessário. Toda vez que elas sentirem vontade para soltar um “misoginia” ou “misógino” em sua comunicação, elas devem parar e pensar cuidadosamente a respeito do que elas estão realmente tentando comunicar. Em seguida, elas devem escolher, entre a miscelânea de significados possíveis, um item que mapeie com precisão o seu pensamento real, e usar ou um termo exato ou uma frase curta descritiva para transmitir isso. Tal exercício pode forçar as pessoas a pensar fora da caixa, e pelo menos vai mantê-las no bom caminho. 

Levando isso para um nível ainda mais alto, por que não aplicar uma moratória sobre TODO o uso de “misoginia” ou seus derivados? O mesmo vale para quase todas as palavras-chave no léxico feminista. Afinal, estes são clichês, então por que não dar-lhes um descanso?

__________
Fidelbogen. Death to Feminist Buzzwords! Tradução de Charlton Heslich Hauer. [s.1.]: CounterSnippets, 2013. Disponível em: <http://countersnippets.blogspot.com/2013/02/death-to-feminist-buzzwords.html>. Acesso em 13 novembro 2013.