Ads 468x60px

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Monstruosidade Doméstica: Mulher Corta Pênis de Homem, e Centenas de Pessoas, sobretudo Mulheres, Festejam o Crime!


Por Charlton Heslich Hauer

Cultura do Ódio ao Sexo Masculino: Vejamos esta matéria que saiu no portal G1 sobre um crime mais do que hediondo. E tão triste quanto o crime em si é vermos centenas e centenas de pessoas, principalmente mulheres, aplaudindo o crime, apoiando e defendendo a mulher criminosa, zombando e tripudiando do homem vitimado, e afirmando que fariam o mesmo.


Homem tem pênis cortado por esposa após ser flagrado com outro rapaz
Vítima chegou a ser atendida, mas o órgão não pôde ser reimplantado.
Caso ocorreu em Santos, no litoral de São Paulo.
Do G1 Santos

Um homem de 28 anos teve o pênis decepado pela própria esposa em Santos, no litoral de São Paulo, após ser flagrado na cama tendo relações sexuais com um outro homem. A vítima chegou a ser atendida em uma unidade de saúde da cidade, mas o órgão não pôde ser reimplantado.

Segundo testemunhas, a mulher viu o marido a traindo com um rapaz, mas não falou nada na hora, já que ele não percebeu o flagrante. Dias depois, para se vingar, ela propôs uma fantasia ao homem e o amarrou na cama do casal. Com ele imobilizado, a esposa traída cortou o pênis do companheiro com uma faca serrilhada.
A vítima foi encaminhada para uma unidade de Saúde de Santos, mas o órgão sexual não pôde ser reimplantado. O paciente não corre risco de morte e está utilizando uma sonda. A equipe médica ainda analisa o caso para definir qual o procedimento cirúrgico a ser adotado.

Fonte: http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2013/08/homem-tem-penis-cortado-por-mulher-apos-ser-flagrado-com-outro-homem.html


E vejamos abaixo alguns dos inúmeros comentários lamentáveis, abomináveis, lastimosos, deploráveis, revoltantes, enojadores, detestáveis, monstruosos, feitos (na página da matéria acima) por pessoas que são dignas de pena, tamanha a doença e a miséria moral que carregam dentro de si; tamanho o ódio mortal e o desprezo que sentem pela vida dos seres humanos do sexo masculino:

Clique em cada imagem para ampliá-la


A maioria esmagadora das mulheres que se manifestaram apoiaram o crime. E fizeram isso por possuírem uma imensurável aversão psicológica enraizada contra o sexo masculino. Parte se deve à doutrinação feminista que receberam durante décadas e à cumplicidade de duas forças bestiais: o Estado e a mídia.  

As mulheres em sua grande maioria são vitimistas; reduzem tudo a primitivismo preto- e-branco: é o "gênero" delas o único que importa; o dos homens, não. Elas consideram o seu gênero o único bom e sempre inocente; já os homens, seriam ruins e previamente culpados. Tudo o que for bom apenas para elas é o que importa; danem-se os homens para elas.

As mulheres foram levadas a se considerarem injustiçadas, quaisquer que fossem os fatos. O Essencialismo Maniqueísta está em seus DNAs.

Quanto mais privilégios e poder a sociedade concede a elas, mais elas querem. São como dependentes químicos viciados(as) em drogas. 

As mulheres, sobretudo as feministas, sabem que suas opiniões são superestimadas e supremas. Sabem que essas opiniões podem virar estatísticas que posteriormente quase sempre se transformam em leis que as privilegiam (ilegitimamente, diga-se). Quando as mulheres defendem mulheres criminosas, elas estão querendo o aval para poder cometer os mesmos crimes. Elas querem o poder para fazer o que quiserem.  São o empoderamento, a autonomia total e a inconcebível liberdade irrestrita, os seus objetivos.

Como podemos ver também, lamentavelmente muitos homens apoiaram, zombaram ou desdenharam a vida do homem vitimado. Grande parte disso também se deve à enorme aversão psicológica enraizada que possuem contra o próprio sexo masculinoA Misandria e o Ginocentrismo histórico sempre doutrinaram os homens a querer proteger as mulheres dos homens, e agora, com o controle do Estado e da opinião pública por feministas, essa aversão, desprezo e ódio de "si mesmos" atingiram níveis exponenciais. 

Outro grande motivo sobre a maneira da qual eles se comportaram é que estão sendo cada vez mais doutrinados a viver na esperança de ganhar favores e atenção das mulheres, mesmo que para isso tenham que vender o seu próprio sexo, e portanto, venderem-se a si próprios. Mesmo que para isso sejam oferecidos como sacrifício. O que esses homens precisam entender é que quando eles agem dessa maneira, apoiando ao invés de combater tais expedientes, estão dando o aval para que futuramente até eles também, como homens que são, sejam os próximos vitimados. 

O que também muito nos deixa triste é que esse tipo de reação da massa não é algo pontual ou isolado. Tanto os crimes cometidos impunemente por mulheres contra homens, quanto o apoio da grande massa a esses mesmos crimes, são uma constante no Brasil e em diversos países do mundo inteiro, como nos EUA:

Só é sexismo quando os homens fazem

O que eu tenho visto em todos estes anos, e que qualquer pessoa pode comprovar por si própria, é que sempre que uma mulher comete uma infração penal contra um homem, a imensa maioria esmagadora das pessoas que se manifestam (não só aquelas que se identificam como feministas) sempre o faz no sentido de tentar justificar e absolver a mulher. Tentam tirar, desvalorizar ou ignorar qualquer responsabilidade da mulher criminosa, além de tratar o homem, não como verdadeiro vitimado que é, mas sim, como culpado pelo próprio crime que sofreu.

Um detalhe que precisa ser exposto: o homem vitimado, apesar de casado com a mulher, era homossexual, já que estava tendo relações sexuais com outro homem. Uma pergunta que faço aos meus leitores: por que será que dessa vez esse homem não teve as condolências da maioria das pessoas que lá comentou? Ora, por se tratar de alguém que faz parte de um grupo que tem o apoio do "politicamente correto", digamos assim, era de se esperar que tivesse o amparo da maioria das pessoas, mas não foi isso que aconteceu. Também ninguém falou em homofobia. E sabem por quê? Porque foi um crime de uma mulher contra alguém do sexo masculino. São o supremacismo feminino e a misandria os pensamentos dominantes da nossa sociedade. 

Se a mulher agride um homem ou até mesmo o mata, dizem por aí afora: "oh, coitada, ela não merece punição, já que ela vinha sendo agredida". Ou então: "oh, coitada, ela vinha sendo ameaçada". Toda ação feminina contra alguém do sexo masculino, por mais monstruosa que seja, está se transformando em algo inquestionável, e não importa a orientação sexual do homem vitimado. 

De forma diametralmente oposta, quando um homem comporta-se mal com uma mulher, não lhe é permitido dizer que um comportamento dessa mulher é fator justificativo. Basta vermos a reação das pessoas a qualquer notícia envolvendo um mau comportamento de um homem para com uma mulher. A maioria delas quer pena máxima e/ou a morte desse mesmo homem, não importa qual tenha sido a ação do homem.

Há um crescente pensamento na sociedade, que está se transformando em paradigma cultural supremacista feminino, no sentido de que as mulheres podem fazer "justiça" com as próprias mãos contra os homens, e da forma mais desproporcional que elas quiserem. Qualquer que seja o comportamento inadequado do homem, até mesmo a mínima das mínimas ofensas dirigidas à mulher, isso se transforma num motivo para a mulher até mutilar ou matar esse homem, e com o total sustentáculo da sociedade. Portanto, há um feedback entre comportamento criminoso da mulher e a sociedade que a apóia.

É como se os Homens de hoje fossem os "novos judeus"!