Ads 468x60px

segunda-feira, 11 de abril de 2011

A violência contra a mulher!

por "the Truth"

Esse texto foi retirado do blog de um amigo nosso. O texto é bom, apesar de que temos que lembrar que a violência contra o homem é infinitamente maior do que contra a mulher. Não esquecendo que a questão da violência contra a mulher também é importante,  entrementes, a sociedade deveria refletir em primeiro lugar o que fazer diante da violência contra o homem. Mas, vamos ao texto.

A violência contra a mulher!

Hoje o post vai falar sobre a violência contra a mulher. Vou falar principalmente das causas dessa violência: Algumas dessas causas são:

1. A forte tensão hormonal masculina
2. A sexualização excessiva da sociedade
3. A perda de poder do homem


A forte tensão hormonal masculina

A existência masculina é marcada por fortes tensões internas, mas também por fortes exigências externas. De alguma forma, a sociedade espera que o homem encarne o modelo da dominância. Por exemplo, as mulheres exigem dos homens uma postura mais dominante nos relacionamentos e se sentem frustradas ao lado de homens sem atitude.

Os homens lidam pior com as restrições sexuais do que as mulheres. O homem naturalmente valoriza muito mais o sexo do que as mulheres, por uma questão fisiológica. A pressão orgânica por sexo é maior nos homens! Isso não significa que as mulheres não gostem de sexo, mas o sexo não é tão valorizado por elas ao ponto delas agredirem ou matarem por razões sexuais. A mulher não vê a falta de sexo como uma morte existencial, mas o homem sim.

Os homens cometem mais crimes passionais porque eles vivem sob uma tensão interna maior. Eles não aceitam a exclusão sexual porque sucumbem aos efeitos da pressão dos hormônios e sofrem com a pressão dos ideais elevados da sociedade de hoje. Como a tensão masculina por sexo é bem grande, ele precisa de uma disciplina e um autocontrole maior. Por isso é fundamental a criação de uma solução educativa para embates da sexualidade masculina na sociedade.

As políticas do Estado não podem banalizar a natureza masculina e achar que o homem é violento simplesmente porque é machista. O interesse sexual masculino acentuado é um padrão natural que se observa em todas as culturas. O Estado tem que levar em conta as necessidades naturais do homem e prover meios de abrandar as tensões entre a natureza masculina e o meio.

A sexualização excessiva da sociedade

Outro culpado pela violência contra a mulher é a sexualização excessiva da sociedade. Essa sexualização reforça a competição, pois é fundamentada num padrão elitista inacessível para a maioria. A competição estimula a agressividade masculina. Ou seja, os homens excluídos de uma sociedade sexualizada usam a agressividade como meio de auto-afirmação.

A maior parte da violência masculina tem como motivação a inclusão dentro de um paraíso sexual. Os homens em geral entram na criminalidade em busca de poder. Os meninos da favela se tornam traficantes porque buscam poder e mulheres.

E o que a mídia faz? Ao invés dela diminuir a pressão social sobre os homens, ela cria mais e mais pressão sobre os homens. A mídia populariza um modelo de homem que está além da realidade da maioria dos homens. As mulheres usam esse modelo como referência nas escolhas amorosas que elas fazem. Como conseqüência disso, a pressão social é muito grande. O homem esbarra num grande problema, que é a falta de dinheiro. O dinheiro também é um meio de auto-afirmação para o homem num mundo competitivo. O ambiente que produz a violência contra a mulher é um ambiente de insegurança financeira, onde dinheiro é cada vez mais importante para o homem.

A sociedade de alguma forma cobra do homem que ele seja bem sucedido sexualmente. Se a mulher permanece sozinha durante muito tempo, há muito mais tolerância para isso do que no caso masculino. O homem solitário é alvo de piadas e de brincadeiras. As pessoas brincam com a sexualidade dele e insinuam coisas. O homem é mais pressionado a afirmar um padrão de dominância do que a mulher e o fracasso dele no amor é mais julgado socialmente do que o fracasso feminino.

A mulher solteira é mais respeitada pela sociedade do que o homem solteiro. Muitos homens não sabem lidar com a exclusão sexual e reagem com impulsividade e violência. A comparação com o sucesso sexual das outras pessoas é muito mais destrutiva no caso masculino. Enquanto a mulher lida melhor com frustrações sexuais, o homem lida de modo catastrófico. Muitos homens manifestam dependência emocional extrema das mulheres, pois sentem que não possuem muito valor perante elas. Então eles usam a violência física e a força como meio de auto-afirmação, já que eles não têm condições de afirmar um ideal sexual e não possui os atributos valorizados pelo mercado sexual.

A mídia afirma padrões dominantes que geram uma competição por “inclusão” numa sociedade muito desigual. Os homens excluídos desses padrões dominantes reagem com mais agressividade e alguns não agüentam a pressão social e se matam, ou matam outras pessoas. Numa sociedade tão desigual é fundamental a crítica desses valores. Estes valores produzem a violência de maneira indireta. Não adianta criticar o machismo e esperar que o homem seja conformista numa sociedade tão desigual e competitiva. É fundamental criticar os padrões de sexualidade que são inatingíveis para a maioria dos homens. A afirmação de valores menos elitistas ajuda a diminuir as tensões sociais.

A perda do poder do homem

A “independência” feminina assustou o homem. Na verdade o homem brasileiro não está preparado para lidar com a nova mulher. Ele está totalmente perdido, confuso, não sabe o que fazer para agradá-las. E o que eles fazem? Eles buscam poder, porque sabem que essa é a única coisa que pode trazer um pouco de segurança para eles.

O brasileiro perdeu poder perante a brasileira. As brasileiras estão cada vez mais poderosas e independentes e os homens estão cada vez mais inseguros e estressados. Algumas mulheres dizem que é o contrário e que a nossa época é ótima para os homens. Mas elas estão equivocadas, porque o sucesso tardio do homem depende do esforço dele ao longo da vida. Em outras palavras, o homem de valor, que mantém o status de bem sucedido no amor, só consegue isso porque ele mantém o poder que ele conquistou ao longo da vida.

O sucesso do homem depende totalmente do poder hoje em dia. Se os brasileiros perdem poder perante as brasileiras, na medida em que elas se tornam mais independentes, então, eles precisam de cada vez mais poder pra conquistar as novas mulheres.
Se os tempos atuais fossem tão bons assim para os homens quanto as mulheres dizem, então não veríamos o aumento dos crimes passionais. Os crimes passionais estão aumentando, porque os homens estão inseguros. A violência masculina é uma tentativa desesperada de auto-afirmação. O homem usa a agressividade como uma forma de auto-afirmação e como um meio de camuflar sua baixa auto-estima e a sua falta de poder. O homem agressivo sabe que não tem valor nenhum perante as mulheres e tentar impor o seu valor através da agressividade!

Os homens brasileiros são agressivos e violentos porque são os homens mais inseguros do mundo. O homem que agride e mata as mulheres reconhece através do seu ato a sua impotência perante elas. Ele sabe que não tem poder e como ele não consegue obter nada das mulheres por meio dos comportamentos sociais, ele tenta impor a força a sua vontade.

Não é verdade que a nossa época é ótima para os homens. Os êxitos sexuais do playboy, do rico e do bombado são êxitos que dependem da manutenção do poder dos mesmos. O homem seguro, que é assim porque é rico ou bombado, perde totalmente a segurança quando perde o poder atrelado ao dinheiro ou aos músculos. O homem agressivo, que humilha todos os outros e diz que é melhor e superior, porque pega todas, é também o mais inseguro de todos. Este é capaz das maiores brutalidades quando perde o poder que sustenta a sua auto-afirmação frágil. O sucesso dele depende da manutenção do poder dele perante as mulheres. Se ele perde o poder que o faz ter sucesso com as mesmas, então ele surta, pois ele nunca teve estrutura emocional pra lidar com elas e sempre mascarou através da sua agressividade uma falsa superioridade.

O homem mais maduro é aquele sobrevive aos jogos emocionais femininos sem reagir com ódio e raiva. Ele está desapegado e não é escravo das paixões. O homem agressivo e violento, que é valorizado apenas por ser bonito, rico e bombado é também o mais inseguro de todos. Esse é capaz de matar mulheres e homens, pois ele tem um ego frágil, que precisa de uma capa gigantesca de poder pra suportar a realidade. Se o homem agressivo perde o poder que sustenta a auto-afirmação dele perante as mulheres, logo, a fragilidade total do ego dele é revelada. O mesmo torna-se absolutamente incapaz de lidar com mulheres e é capaz das reações mais impulsivas possíveis.



Material retirado de:
http://questionandofeminino.blogspot.com/2011/04/violencia-contra-mulher.html

3 comentários:

Postar um comentário